Como pedir uma boa carta de recomendação

As universidades americanas costumam pedir de duas a três cartas de recomendação ao candidato. Essas cartas são usadas para entender melhor como o aluno é social e academicamente aos olhos de professores ou de outras pessoas que acompanham de perto o seu desempenho acadêmico. Daí vem o seu papel fundamental de complementar o perfil do candidato demonstrado nos históricos, notas dos testes e redações.

Uma boa carta pode fazer a diferença entre ser admitido ou não numa universidade. Em geral, as cartas são avaliadas com bastante rigor, mas existem estratégias que podem ajudar a assegurar um bom resultado.

 Especificidade, honestidade, credibilidade

Já que os comitês que leem o application querem saber mais sobre o perfil do candidato, é preciso tomar muito cuidado com frases generalizadas como “fulano é um aluno aplicado e com bastante iniciativa”. O melhor é dar profundidade ao texto, ilustrando-o com relatos memoráveis e exemplos concretos de habilidades e características suas.

Alguns exemplos que ajudam a enriquecer a carta são:

  • Projetos feitos dentro e fora da sala de aula,
  • Compromissos assumidos,
  • Posições de destaque ocupadas e
  • Conquistas acadêmicas ou profissionais.

No entanto, é preciso tomar cuidado para não apenas repetir o que já foi mostrado pelos outros materiais da candidatura; a carta deve ser usada para mostrar como o candidato agiu em todas essas atividades.

Tópicos que podem ser abordados, caso se apliquem ao aluno, são:

  • Criatividade,
  • Motivação,
  • Maturidade emocional,
  • Hábitos de estudo,
  • Iniciativa,
  • Habilidade de resolver problemas,
  • Motivação,
  • Capacidade de liderança e
  • Adaptabilidade a novas situações.

Acima de tudo, é extremamente importante, tanto para a universidade quanto para o candidato, que a carta seja honesta e particular. O ideal é que os leitores terminem a carta tendo também uma ideia melhor da sua personalidade, e do seu relacionamento com os professores e outros alunos. De novo é válido ilustrar as afirmações com exemplos.

É igualmente importante que o candidato seja colocado em perspectiva com relação a outros alunos (“fulano está entre os 10% alunos mais _____ da sala”), principalmente porque isso pode trazer um novo olhar sobre as notas.

Em cartas de pós-graduação, a contextualização é ainda mais elementar para que os comitês possam estimar o potencial do candidato e esclarecer as nuances dos outros materiais da candidatura. Assim, torna-se importante ser específico com relação a habilidades intelectuais e referentes à área de estudo, e, caso seja relevante, metodologias de pesquisa e publicações. Se quem estiver escrevendo for um professor que teve contato direto com o aluno, é muito útil aos avaliadores dizer se ele ou ela teve mais afinidade com certos aspectos da matéria e se assimilou determinados conteúdos mais facilmente que os demais.

Um enfoque profissional talvez seja mais bem dado por um empregador. Neste caso, é importante ressaltar as responsabilidades e posições que foram desempenhadas, de novo voltando-se para a área de estudo. Projetos bem-sucedidos — e como o candidato ajudou a torná-los realidade —, com detalhes sobre a execução e os desafios enfrentados também são positivos.

É claro que é melhor destacar aquilo que é lisonjeio ao aluno, mas observações críticas podem ser incluídas para ajudar a deixar a carta de recomendação mais realista. Outra possibilidade é destacar aqui uma adversidade que teve que ser superada, quando apropriado, discutindo como o aluno lidou com o problema.

Pedindo a carta

Evidentemente, quem vai escrever a sua carta de recomendação tem que conhecer o seu desempenho acadêmico, seu caráter, seus esforços e quaisquer projetos de longo prazo(além de estar disposto a falar em seu nome). O ideal é que essa pessoa te conheça pessoalmente. Nada impede, no entanto, que você construa ao longo do ano um relacionamento com aqueles de quem pediria uma carta, como professores de matérias que acha interessantes, nas quais se sente desafiado ou nas quais acha que fez um bom trabalho.

A forma como você pede a carta irá refletir diretamente em como ela é escrita. Evite a todo custo fazer pedidos por e-mail ou telefone e de última hora. O ideal é aproximar-se e perguntar delicadamente se a pessoa se sentiria confortável em escrever uma carta de recomendação para você, explicando o processo quando necessário. Caso ela pareça relutante ou recuse, considere outra pessoa. Você não quer pressionar alguém a escrever sobre você sem estar disposto a fazê-lo.

Quem irá redigir a sua carta provavelmente não terá as informações necessárias de pronto ou talvez não se lembre de tantos detalhes a seu respeito. Você pode ajudar dando um panorama da estrutura de uma carta de recomendação e oferecendo materiais escritos, por exemplo:

  • Os seus prazos;
  • Os seus objetivos;
  • Uma lista com as universidades para as quais você está aplicando e o que foi pedido por cada uma delas para as cartas de recomendação;
  • O seu personal statement, caso já esteja pronto;
  • Habilidades e características suas que gostaria que fossem ressaltadas em cada carta (uma lista com seus pontos fortes e pontos fracos parece básico, mas pode ajudar a reavivar alguma lembrança);
  • O seu currículo;
  • Um resumo de atividades de longo prazo (projetos, pesquisas que não constem no seu currículo);
  • Uma pequena nota de agradecimento.

Tudo isso pode ficar mais fluido e interligado se vocês se encontrarem com antecedência para discutir a carta. Aproveite para pedir que todas as vias sejam assinadas, perguntar como ele ou ela deseja ser lembrado do prazo e lembrar-lhe que a carta só deve ser escrita em inglês caso ele ou ela se sinta confortável. Se o professor se sentir mais à vontade para escrever a carta em português, é possível pedir uma tradução certificada ou juramentada dela.

Deixe um comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s